Casas inteligentes: como deixar sua rede residencial mais segura?

Cuidar da segurança de nossos dados é uma tarefa permanente, e adotar uma proteção adequada pode salvar sua família de dores de cabeça.
Uma família comum de classe média costuma ter hoje em casa alguns computadores, um celular por morador, videogames e smart TVs. Já pessoas que investem mais em tecnologia utilizam ainda controles de iluminação e climatização, assistente virtual inteligente ou smartwatch. Provavelmente a maioria das pessoas não pensa muito nisso, mas todos estes equipamentos estão ligados a um roteador, peça chave de conectividade em qualquer ambiente.
Todas as informações de uma casa conectada passam pelo roteador. Justamente por esse motivo, o equipamento é o primeiro dispositivo que deve ser protegido em uma residência, uma vez que não só controla o perímetro da sua rede, mas todo seu tráfego e informações.
A primeira dica que podemos dar para proteção do roteador e, consequentemente, dos dispositivos inteligentes parece muito óbvia, no entanto, não é. Troque a senha de seu roteador quando chegar da loja. Segundo levantamento do SplashData, boa parte dos usuários preferem ficar com as combinações vindas de fábrica, como o “123456”, combinação campeã de uso em 2017.
Esses dados de login padrão estão em quase todos os dispositivos e podem ser facilmente encontrados com uma simples pesquisa na Internet. Dessa forma, os criminosos conseguem alterar o usuário e a senha dos dispositivos e, em seguida, controlá-los remotamente. Outra maneira de proteger os roteadores é criando mais de uma rede para diferentes propósitos, dessa forma, as informações de equipamentos sensíveis, como câmeras de vigilância, dispositivos de armazenamento e controles ambientais, não estarão expostas.
Essa funcionalidade também proporciona ao morador escolher a rede que irá compartilhar ao receber visitas e quais poderão ser isoladas, além de poder separar dispositivos utilizados por crianças, como console de vídeo game ou tablets, do restante dos dispositivos da casa. Além disso, muitos roteadores atuais também trazem funcionalidades de firewall, o que possibilita analisar o tráfego de entrada e saída do dispositivo e determinar quais conexões são permitidas e quais não são. Assim, é possível ter um maior controle sobre os dados trafegados.
Outro ponto importante é que, mesmo que você conheça especificamente para que serve cada funcionalidade do roteador, o ideal é desativar todas as que não estão em uso. Com passos simples, que podem ser encontrados na internet, é possível determinar quais portas e serviços devem estar abertos. Quanto mais portas desnecessárias estiverem abertas, mais informações podem ser acessadas ​​de fora por um cibercriminoso ou até por um vizinho curioso.
Esta dica pode ser aplicada inclusive para os dispositivos que se conectam ao roteador. Desative a câmera, o microfone ou outros componentes que você não usa em todos os seus dispositivos, evitando que fiquem expostos. Na verdade, é tão comum deixar esses serviços ativados ou não os configurar corretamente, que o mecanismo de busca de dispositivos conectados Shodan encontrou mais de 9 mil webcams e 7 mil roteadores com credenciais de fábrica conectados em todo o mundo.
Por falar em dispositivos conectados ao roteador, outro conselho é justamente identificar os equipamentos conectados ao seu. Nas configurações de cada aparelho, é possível verificar que nome tem a rede daquele device. Ao renomear as redes wi-fi de cada um deles para nomes mais simples de serem lembrados, será possível reconhece-los com mais facilidade e saber se há dispositivos intrusos conectados.
Por fim, uma última dica é ficar de olho nas atualizações de firmware do equipamento e mantê-las em dia. O firmware pode ser definido como um conjunto de instruções operacionais feitas para o hardware que torna possível seu funcionamento pleno sempre que for ligado. No caso do roteador, atualizações periódicas são fundamentais para garantir a segurança do dispositivo, levando sempre em conta as instruções de instalação do fabricante e verificando com muito cuidado se a atualização é realmente a correta para o aparelho, pois um erro de firmware pode ser bastante difícil de reverter.
As medidas mencionadas são um passo importante para melhorar a segurança e proteção de uma rede doméstica. Além disso, é necessário manter atualizados todos os antivírus e os sistemas operacionais dos equipamentos.
Cuidar da segurança de nossos dados é uma tarefa permanente, e adotar uma proteção adequada pode salvar sua família de dores de cabeça. Afinal, se não queremos intrusos em nossas casas, também não os desejamos em equipamentos que fazem parte dos ambientes domésticos atuais, altamente conectados.


Deixe uma resposta

WhatsApp chat